sábado, 5 de março de 2011

Culpa minha.

Deixei que o levasses.
E com ele, levaste-me por inteiro.
Se assim não fosse, não terias tudo o que tiveste, tudo o que tens, tudo o que ainda espera por ti.
Não te apercebeste, não percebes. E eu não posso dar-te demasiadas evidências do que sinto.

Sem comentários: