sexta-feira, 21 de agosto de 2009


Serei mesmo a típica menina que vive no mundo encantado da fantasia?
Às vezes até no destino acredito. Mesmo!
Por exemplo, acredito que vieram alguns jovens de lugares mais distantes para perto de mim, e se calhar o destino tinha uma missão para eles, não foi por acaso: percebi que o importante não pode mesmo ser a opinião e/ou critica dos outros, mas sim o facto de conseguirmos dar e receber amor das pessoas a quem mais queremos! *.*
E se calhar o facto de eu me ter tornado tão amiga, tão íntima, tão parte de alguém como “ela” fez com que eu visse a importância que uma amiga tem, porque ela é impressionante, é magnífica, ouve-me sempre. Quero ser assim, só quero retribuir-lhe, a ela e a todos, para que se sintam como eu, agora.
Talvez também não seja por acaso que “Ele” voltou. Porque já havia outro “ele”a sondar o meu pensamento, o segundo “ele”, por quem eu me deixava levar, e que se afastava e se aproximava vezes sem conta sem que eu conseguisse parar isso. E ainda outro “ele”, que tentava tomar o lugar deste segundo, mas que para mim, não tinha qualquer comparação, qualquer hipótese. Mas “Ele” voltou. Consegui baralhar-vos? Óptimo! ;)
Este “Ele”, pelo qual já consegui sentir os sentimentos mais opostos do mundo, voltou e em força. Eu não devia, eu não queria, eu não quero sonhar mais. Mas aqueles olhos, aquela voz, o toque do cabelo macio na minha pele, o facto de sentir de novo as faces tocarem-se, de relembrar como era ter a mão dele em mim, sentir a suavidade de cada momento, faz-me pensar que se calhar do ódio ao amor vai meio passo apenas.
Concordo quando me dizem que é possível “receber transfusões de amor”. Sim, e de alegria também. E de simpatia. E basta que este “Ele”, o verdadeiramente importante, me deixe redescobri-lo. Excepto duas ou três pessoas, todos vêem para mim algo diferente, tão longínquo daquilo que eu sonho, que penso, se a maioria estiver certa, talvez o destino se tenha enganado no meu projecto. Paciência.
Voltou a sensação de que tudo está bem quando ele me responde, quando ele me sorri.
Voltou o sorriso parvo na minha cara.
Voltei a tremer quando falo ou escrevo para “Ele”.
Voltei a pensar duas vezes nas palavras usadas, porque quando estamos em risco de ter algo tão bom, fazemos tudo de forma a proteger o nosso pequenino sonho, que é ao mesmo tempo, o nosso maior segredo... +.+

2 comentários:

Cris disse...

Admito q quando me mostraste este, fiquei com os olhos cheios de água. Está mesmo bonito. E se calhar nao somos assim taaao diferentes como pensas. x)
Adoro-te, Li! Mas juízo. xP

KákáChi disse...

Minha Yuuki *.*
Bem sabes como temo por ti e como tento que aproveites tudo ao máximo.
Não gosto de te largar da minha asa mas se for para te deixar voar então terei de ceder, no entanto tu conheces-me e sabes que só quero o melhor para ti.
Tu sonhas. Todos sonhamos. Mas talvez sejas a que mais inocência tem. És aquele anjinho tão querido que adora toda a gente e que sempre que pode, afasta-se da sua felicidade para o bem dos outros.
Só te digo: continua a sonhar, continua a procurar. Sente com fervor e vive com amor (oh rimei lol).
Um pequeno jesse acabará por te arrebatar e aí saberás que "he's the one".
Mas até lá, ainda haverão muitos "one's". ;)
Kiss**