quarta-feira, 6 de janeiro de 2010


Passeios descomprometidos pelas ruas, olhares tão despreocupados e ao mesmo tempo carregados de medos e incertezas. Trazemos, no entanto, ombros que se apoiam mutuamente, sem repararmos.
As conversas fluem e quando damos por nós, estamos a contar segredos que juramos a nós próprios nunca contar a quem quer que fosse. São conversas sinceras, sérias, calmas mas importantes.
Partilhamos gostos e a frescura daquela manhã.
Escolhemos a cor do céu e mudamos o mundo um do outro.
As mãos tocaram-se. Começaram a entrelaçar-se, mas recuaram.
Não podemos. Nem queremos.
As faces tocaram-se. Arrepios num beijo inocente de quem se despede de um amigo.
Separaram-se os corpos no final de um abraço rápido e escondido deles. O tempo é escasso; mas já me conheces e eu já te conheço.
Fazes parte do meu interior e quem me dera ser assim indispensável para ti também.
O facto de me escolheres a eles fez-me tão bem.
Aliás, como sempre, tu fizeste-me bem.

4 comentários:

incógnita disse...

Bonito =)

Cris disse...

Oh! Tão bonito. *.*
Nem digo mais nada, já sabes qual é o meu preferido.lol
Adoro-te, meu anjo.

KákáChi disse...

Fiquei confusa agora O.o
Mas amei o texto damn *.*

BruC disse...

Nunca comento textos de blogues mas tinha de comentar este :O

A serio ta mesmo assim coiso, de ficar de boca aberta ^.^

Deixo aqui o meu apontamento e grande beijinho para ti Liliane :)

Bruno C.