quarta-feira, 14 de julho de 2010

Uma rede que baloiça,
Vento no cabelo,
Choro para que ninguém oiça.

Nunca ninguém me irá ouvir assim.

Um vinho saboroso,
Olhos fechados,
Pensamento doloroso.

Dói-me a cabeça.

Embalo-me de forma repetida.
Tu estás longe.
E eu estou perdida.

3 comentários:

mmeloup disse...

Eu gostei muito disto.:)

_______

www.mmeloup.wordpress.com

Liliane disse...

Oh, obrigada *.*

Robin K disse...

Gostei muito do poema. Principalmente do remate final.

Keep on,

Robin K