sábado, 2 de julho de 2011

Ninguém é perfeito.
E eu muito menos, também já fiz muita asneira.
Mas começo a contar as pessoas por quem metia as mãos no fogo e que depois, pimba, me deixam de boquinha aberta, e já não me chegam as duas mãos. É tudo ao mesmo tempo. Combinaram, às tantas.
Ainda bem que não se leva a expressão literalmente a sério, caso contrário já estava sem mãozinhas.

Sem comentários: