segunda-feira, 29 de março de 2010

Há pessoas que supostamente deviam estar sempre connosco. E quando vês que o teu esforço foi em vão, quando fazes o possível e o impossível por alguma coisa e não obtens resultados, quando sentes o chão a fugir debaixo dos teus pés, e vês que essas pessoas não estão lá, a vontade é fugir, é mudar, é partir.
O pior é que são essas pessoas que te conhecem melhor e sabem perfeitamente onde actuar para te deixar em baixo. E conseguem, cortam naquilo que me é essencial.
Por vezes tenho dificuldade em perceber se tomei as decisões certas, se não me estou a enganar, se tenho capacidade para aguentar isto, se vale a pena lutar por este sonho, se o consigo verdadeiramente alcançar, se sou forte o suficiente.
Eu pensava que era, mas torna-se cada dia mais complicado, e as lágrimas já correm de forma descontrolada e em frente a quem nunca deveria ver-me assim. Porque eu era forte, e agora deixei-me afectar.
Resta-me continuar a tentar. Afinal, "O que não nos mata, torna-nos mais fortes", como ele me diz. As palavras deste Amigo fazem eco cá dentro, e vou provar-lhe que todos os minutos "perdidos" comigo não foram "perdidos":


"Liliane, não desistas do sonho, NUNCA!"

1 comentário:

Cris disse...

Que não sejam mesmo perdidos. Tu mereces viver o que queres, como queres.
E quem te faz mal que fuja de mim. :p
Eu estou aqui, tu sabes. Posso não ser a primeira a dizer alguma coisa, mas nunca hesites em falar comigo.
Adoro-te, Laparota!