terça-feira, 15 de novembro de 2011



Porque esperar, às vezes, dói.
Porque controlar, às vezes, cansa.
Porque, às vezes, precisamos mesmo de um abraço.
De um abraço que diga tudo.